Cômites de Ergonomia

36º CURSO DE FORMAÇÃO
DE CONSULTORES
EM ERGONOMIA
DA ERGO EM 2019!
UM CURSO QUE SE REINVENTA A CADA ANO
– PREPARE-SE PARA O e-SOCIAL.
faça sua inscrição
Confira nossos Livros!
Faça sua lista agora! Vários títulos que irão te
auxiliar sobre diversos temas dentro da Ergonomia
ver livros

Cômites de Ergonomia

As empresas mais evoluídas estão implantando a Ergonomia sob a forma de SISTEMA DE GESTÃO e os resultados são altamente positivos, tanto na redução das LER/DORT e lombalgias, quanto na melhoria de condições gerais de trabalho e redução do desconforto.

O que são os Comitês de Ergonomia?
São grupos estruturados dentro das empresas para atacar os problemas ergonômicos existentes de forma gradativa e sistemática, evitando os esforços isolados. Esses grupos trabalham sob uma coordenação nomeada pela gerência e com o trabalho de secretaria executiva sendo feito pelos profissionais do SESMT. Os problemas críticos são analisados por forças-tarefas, contando com um profissional de Ergonomia, um trabalhador experiente, um técnico da área e da máquina e um supervisor. Esse grupo, após analisar a atividade, estuda em profundidade suas soluções e elabora um Plano de Ação, que é então aprovado pela alta gerência.

Eficácia
A estruturação da Ergonomia sob a forma de um Sistema de Gestão realmente funciona, pois os problemas ergonômicos são abordados na ordem de prioridade: primeiro trabalha-se sobre aqueles causadores de afastamentos e gradativamente vai-se resolvendo os problemas causadores de dor sem afastamento, até se chegar aos problemas causadores de dificuldade e desconforto. Em poucos meses, consegue-se “fechar a torneira” de casos novos.

O segredo da eficácia
São eles: apoio do alto nível de gerência, participação dos trabalhadores, eficácia do serviço médico, treinamento de Ergonomia para todo o pessoal da empresa, estruturação correta dos comitês e revisão constante do processo.

A solução dos problemas
Os problemas ergonômicos geralmente podem ser classificados em cinco categorias:

– Categoria 1– aqueles de solução simples, classificados como pequenas melhorias; por exemplo, elevação da altura da máquina em n centímetros visando corrigir os problemas posturais dos trabalhadores;

– Categoria 2 – aqueles de solução conhecida (embora nem sempre de baixo custo) – por exemplo, adquirir uma paleteira elétrica para movimentar pallets mais pesados que 700 kg; ou uma talha elétrica para movimentar peças de 25 kg.

– Categoria 3 – aqueles que demandam um estudo mais profundovisando esclarecer a melhor solução ou que demandam um detalhamento mais profundo do projeto de melhoria. Enfim, que exigem amadurecimento.

– Categoria 4 – aqueles decorrentes de problemas na organização do trabalho. Por exemplo, falta de mão-de-obra com horas extras e sobrecarga para os existentes; mão-de-obra mal treinada e entrando no processo produtivo sem o devido período de adequação; falta de manutenção em equipamento originando movimentos forçados; material em más condições, vindo do fornecedor sem a devida lubrificação e portanto ocasionando esforço excessivo; falta de material, ocasionando horas extras e jornadas prolongadas quando os mesmos chegam; problemas tecnológicos em determinado processo ocasionando uma série de defeitos ou rebarbas e a conseqüente movimentação excessiva de membros superiores para o retrabalho.

– Categoria 5 – aqueles que não têm solução de engenharia e que demandam apenas uma solução administrativa (como rodízio nas tarefas, pausas, seleção de pessoal, treinamento sobre posturas corretas e ginástica laboral).

O problema categoria 1 (pequenas melhorias) deve ser tratado pelo Comitê de forma simples e rápida, através da conjugação de 4 verbos: ver, agir, validar e documentar.

O problema tipo 2 (soluções conhecidas) deve ser tratado da seguinte forma: nomeia-se uma força de trabalho para estudar a adequação daquela solução à realidade do problema detectado, bem como para fazer o planejamento físico/ financeiro da solução.

Nos problemas de categorias 3, 4 e 5, está indicado que seja aberto um processo de solução ergonômica.

O processo de solução ergonômica funciona assim:

1. É montada uma força-tarefa, da qual deverão participar: um trabalhador que execute a tarefa, um técnico ou engenheiro que conheça bem o processo ou a máquina, um supervisor ou facilitador da área e o consultor de Ergonomia. Em certos casos, pode ser necessário alguém da manutenção. Não deve existir mais que 5 pessoas na força-tarefa.

2. É feita a análise ergonômica (ver modelo de formulário em nosso website).

3. A força-tarefa estuda o assunto profundamente, inclusive as alternativas de solução. Cada estudo, cada ação, é registrada, montando-se assim um processo.

4. Uma vez definida a melhor solução, a força-tarefa passa a analisar detalhes da solução. É muito importante que todas as ações sejam documentadas; os pareceres técnicos devem estar documentados.

5. Forma-se, portanto, um processo de solução ergonômica, adicionando-se “peças” ao mesmo, de forma que se oriente para a melhor definição ergonômica para o problema estudado. E de forma a que a solução esteja o mais detalhada possível, facilitando assim o orçamento da mesma e o detalhamento do projeto final.

O resultado final de um processo de solução ergonômica bem feito é a sugestão da melhor solução possível para aquele problema, bem detalhada. De posse dela, a chefia poderá então fazer o seu Plano de Ação (5W-1H-1HM).

É muito importante que a força-tarefa encarregada de encaminhar a solução de um problema ergonômico se debruce sobre ele e o estude profundamente. Não há vantagens em se dar soluções apressadas e mal pensadas para um problema ergonômico. Caso isso ocorra, o Comitê perderá força, pois haverá retrabalho. E caso tenha havido gasto, a gerência passará a desconfiar das ações do Comitê de Ergonomia.

Empresas para as quais estamos prestando serviços de instituição e acompanhamento dos Comitês de Ergonomia:
Votorantim Celulose e Papel, Alunorte, Vallourec & Mannesmann Tubes, Embraco, Malwee Malhas, Tupy Fundições, Liasa – Ligas de Alumínio, Philips da Amazônia.

Depoimentos

O curso de ganhos financeiros é excelente, pela objetividade que tratou o assunto, a entrega de material eletrônico sem reservas e a didática nas explicações. Vivenciamos 70% de prática o que nos proporcionou aprender aplicando as informações nas planilhas e tirar dúvidas a tempo e hora. Definitivamente recomendo e senti que agregou muito na atuação junto aos meus clientes.

Hozana Zapata Ramirez
Fisioterapeuta do trabalho e ergonomista - SP
precisa de ajuda?

Tem alguma dúvida ou gostaria de falar com nossa equipe?
Envie uma mensagem agora mesmo

O curso de ganhos financeiros é excelente, pela objetividade que tratou o assunto, a entrega de material eletrônico sem reservas e a didática nas explicações. Vivenciamos 70% de prática o que nos proporcionou aprender aplicando as informações nas planilhas e tirar dúvidas a tempo e hora. Definitivamente recomendo e senti que agregou muito na atuação junto aos meus clientes.

Hozana Zapata Ramirez
Fisioterapeuta do trabalho e ergonomista - SP
Cadastre-se

Fique por dentro das novidades da ERGO.
Cadastre-se e receba conteúdo sobre a área
de Ergonomia.

Gostaria de Falar com a nossa equipe?